Onde vai parar o preço da energia no Brasil?

A alternativa, para o cidadão, é economizar, já que a curto prazo não há o que fazer para diminuir o preço/Freepik
A alternativa, para o cidadão, é economizar, já que a curto prazo não há o que fazer para diminuir o preço/Freepik

A energia, até 30 de abril de 2022, custará ainda mais caro para o consumidor brasileiro. Com a nova bandeira tarifária, anunciada pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) - chamada de "escassez hídrica" -, o novo valor da taxa extra, já em vigor, é de R$ 14,20 pelo consumo de 100 kWh. Antes, a bandeira vermelha era de R$ 9,492 por 100 kWh. Até junho deste ano, pagava-se R$ 6,24. O aumento, portanto, tem sido progressivo.

Para compreender melhor, é importante saber qual a composição da tarifa: 53,5% são de custo (compra de energia, transmissão e encargos setoriais); 29,5% de tributos (ICMS, PIS e Cofins) e 17% da distribuição de energia. Mais as tarifas extras em épocas de estiagem.


Leia também: Os motivos que levaram o Brasil a mais uma crise energética


A alternativa, para o cidadão, é economizar, já que a curto prazo não há o que fazer para diminuir o preço. "Uma maneira de baixar o preço seria uma intervenção do governo, como já ocorreu no passado, que segurava os aumentos e os assumia como déficit. Mas no modelo atual, essa intervenção é muito difícil. É uma questão de oferta e demanda. Ao entrarem as termoelétricas com energia cara e suja, entra a bandeira vermelha, o preço sobe e a diferença é repassada para os consumidores", afirma Alessandro Azzoni, especialista em Direito Ambiental e Economista.

Uma solução a médio prazo, segundo Ângelo Peccini Neto, advogado especialista em Direito Tributário, é a readequação dos impostos que incidem sobre a tarifa de energia. "Uma possibilidade seria por meio de readequação dos impostos, de incentivos fiscais e da restruturação do setor, a exemplo de outorga e investimentos em energias mais baratas".

Investir na construção e interligação ao sistema elétrico de mais usinas eólicas e fotovoltaicas, que produzem energia limpa e mais barata, poderia diminuir a conta de luz em momentos de forte estiagem, por exemplo.

A privatização da Eletrobras também entra na conta. Maior geradora da América Latina, a empresa é responsável por um terço da energia em todo o Brasil. A expectativa do governo é que o preço diminua em até 7,3% com a gestão privada. Mas entidades do setor dizem que os "jabutis" incluídos pelos congressistas vão aumentar o valor.

Para Alessandro Azzoni, no modelo inicialmente apresentado, não havia a possibilidade de aumento, mas as emendas inseridas, privilegiando as termoelétricas, podem ser um grande entrave no processo. "Nesse momento, é inevitável. O governo não tem o grau de investimento necessário para suprir a demanda de energia que o Brasil precisa", avalia.

A dificuldade para a construção das linhas de transmissão, atribuída às leis ambientais, seria outro entrave para redução do preço da energia. No Projeto de Lei de privatização da Eletrobras, o presidente Jair Bolsonaro manteve no texto o trecho que diz que o governo poderá autorizar a construção do Linhão do Tucuruí, que vai ligar Roraima ao sistema elétrico nacional, sem necessidade de licenças ambientais do Ibama e da Funai, mesmo o projeto passando por uma terra indígena.


Veja também: As questões jurídicas (e regulatórias) que envolvem a privatização da Eletrobras


Azzoni afirma que não é possível flexibilizar ou criar exceções nas leis ambientais, ainda mais para o setor elétrico. "A construção de uma linha de transmissão dentro de uma reserva indígena desrespeita não só a Constituição como a Lei Ambiental, o Código Florestal e a legislação dos próprios estados". O advogado complementa, lembrando que o princípio do direito ambiental é "uma vez alcançada uma proteção, não há como retroagir para uma norma mais flexível. Só é possível restringir mais".

Para Tiago Lobão Cosenza, sócio fundador do LCFC Advogados, é inegável que existe um gravíssimo problema de escassez hídrica, a pior nos últimos 91 anos como já abertamente divulgado pelo ONS, mas não dá para colocar toda a culpa no clima. O advogado acredita que temos alguns problemas estruturais no setor que impactam diretamente neste momento que vivemos, como equívocos de planejamento, opção por construção de hidrelétricas sem reservatórios e outras.

"Prova disso é que no final de junho, o Governo teve que agir emergencialmente e o presidente da República fez publicar a MP 1.055/2021, que permite a adoção de medidas excepcionais e temporárias para otimização do uso dos recursos hidroenergéticos no enfrentamento da atual situação de escassez de água e de suas consequências na segurança do suprimento energético e, ainda neste sentido, hoje foi publicado a Resolução n.º 4 oriunda da Câmara de Regras Excepcionais para Gestão Hidroenergética – CREG, a qual determinou a realização de Procedimento Competitivo Simplificado para Contratação de Reserva de Capacidade, que deve ocorrer ainda esse ano", afirma.

O Novo Marco do Setor Elétrico, aprovado no Senado e em tramitação na Câmara, traz a portabilidade para a compra de energia para todos os consumidores, independente do porte. Ângelo Peccini entende que isso deve trazer mais competitividade e, consequentemente, reduzir a tarifa. Ele explica que, atualmente, somente consumidores de carga igual ou superior a 500 kW podem comprar energia no mercado livre, onde há disputa de preços. Com a mudança, o consumidor residencial também poderá migrar do chamado mercado cativo, onde os preços são fixos, para o livre. "A partir desta competitividade, melhores serviços e batalhas de preços resultarão numa qualidade maior e preços mais competitivos", observa o advogado.

Add new comment

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.