Autoconsciência emocional, competência que todo advogado deve desenvolver

As firmas também devem incorporar esse tipo de curso em seus programas de treinamento, garantindo assim uma boa base emocional para lidar com as dificuldades intrapessoais / Unsplash, Josh Riemer
As firmas também devem incorporar esse tipo de curso em seus programas de treinamento, garantindo assim uma boa base emocional para lidar com as dificuldades intrapessoais / Unsplash, Josh Riemer
Para ter uma boa base emocional, administrar dificuldades, conflitos intrapessoais e relacionamentos com outras pessoas é preciso entender se a emoção é ou não adaptativa e o que faremos com ela
Fecha de publicación: 16/11/2020

Para se inscrever no boletim informativo, na newsletter de Gestão LexLatin, clique aqui.

Faz alguns meses convidei advogados para um primeiro mergulho na inteligência emocional. Fiz isso com o artigo As seis competências emocionais que todo advogado deve desenvolver publicado por LexLatin. A recepção tem sido tão boa que decidimos aprofundar as seis competências emocionais: autoconsciência, expressão emocional, autorregulação, empatia, habilidades sociais e automotivação.

Cada vez mais as Faculdades de Direito, conscientes da falta de formação sobre as emoções e do importante - vital - papel que desempenham para um exercício mais pleno e eficaz da profissão, procuram suprir essa carência com cursos especializados. O problema é que geralmente são breves e, embora sirvam para conscientizar os alunos sobre a existência de inteligência emocional, seria altamente recomendável que as fimas também a incorporasse em seus programas de treinamento em todos os níveis.

Para ter uma boa base emocional, para administrar dificuldades e conflitos intrapessoais ou relacionamentos com outras pessoas, você tem que ir passo a passo. Esse primeiro passo é chamado de autoconsciência emocional e seu conteúdo básico seria saber o que são as emoções, que tipo de emoções existem e como se comunicam conosco.

Por que as emoções são importantes?

A primeira coisa que gostaria de dizer é que as emoções fazem parte da nossa inteligência, não são estranhas a ela. Sem as informações que nos dão, a tomada de decisões é falha. E se não sabemos reconhecê-las, interpretá-las e regulá-las, nossa capacidade de pensar bem e decidir ainda melhor também fica limitada.

Podemos compará-las com os sentidos que nos dão informações sobre o que acontece dentro e fora do nosso corpo para agirmos. Por exemplo, quando estamos no escritório e sentimos frio e aumentamos o aquecimento ou fechamos as janelas. As emoções também nos dão informações sobre o que nos faz sentir medo, nojo, alegria, tristeza, orgulho, vergonha, culpa... e poderíamos continuar com uma longa lista de emoções.

As emoções são, estejamos conscientes delas ou não, influenciadas por experiências e antecipações. Portanto, a primeira coisa seria conhecê-las para identificar quando aparecem, o que será muito útil para identificá-las posteriormente nas pessoas com quem interagimos.

Existem emoções boas e emoções ruins?

Nos meus cursos de inteligência emocional com advogados sempre pergunto se a afirmação "existem emoções boas e emoções ruins" é verdadeira ou falsa e, quase sempre, a grande maioria do público vota que é verdadeira. O que vem a seguir é quase sempre o mesmo: tristeza, medo, culpa... são negativas e felicidade, amor e algumas mais são positivas. Este é um dos erros mais comuns: acreditar que as emoções são boas ou más. Um erro que o filme da Disney, Inside Out, não conseguiu erradicar!

A realidade é que todas as emoções são positivas, pois sua função é nos dar uma avaliação de como os eventos afetam nosso bem-estar e até nossa sobrevivência. O medo te avisa de uma ameaça, a aversão te pede para rejeitar algo que vai te machucar, a alegria te informa que você conquistou algo importante para você, a tristeza te diz que você perdeu algo que era significativo, a raiva que seus limites foram cruzados... A classificação realmente útil é se a emoção é ou não adaptativa e o que faremos a seguir com ela.

Vamos dar um exemplo de advogados. Se um colega se atrasasse sistematicamente para nossa reunião semanal de coordenação, nosso radar emocional nos alertaria que estamos com raiva, porque não está respeitando o seu tempo. A raiva nos pediria para estabelecer um limite. Se escutarmos a tempo, é possivelmente uma mera irritação e, tendo em conta a situação, expressaríamos o nosso desagrado de forma assertiva e, ainda, teríamos a calma para pensar e propor a alteração do horário da reunião caso esse atraso venha se a repetir.

Assim teríamos uma raiva adaptativa. Se, como muitas vezes acontece, não nos conectamos com a raiva e nos comunicamos de forma obscura e passiva-agressiva ou diretamente não dizemos nada e presumimos que ultrapassar os limites é possível - muito possível - que em algum ponto a raiva se mostre explosivamente e de um modo pouco adaptativo, isso acarreta consequências negativas para nós, como sentimento de culpa e / ou para o relacionamento com o outro.

Como adquirimos autoconsciência emocional?

Para tomar consciência das emoções é importante conhecê-las e ir além das mais "famosas" e aventurar-se a reconhecê-las em nós mesmos, sem fugir da resposta do corpo e da mente quando aparecem. Quando a identificamos ou percebemos algo no corpo que soa assim, temos que dar as boas-vindas - nomeá-las. Só então você pode se comunicar com ela e decidir o que fazer a seguir.

Através da terapia e / ou psicoformação podemos aprofundar esta primeira habilidade emocional, básica para continuarmos na roda das competências emocionais que irão aumentar nosso bem-estar e eficácia, dentro e fora do escritório.

Se atribui a Aristóteles uma frase que resume bem o potencial do autoconhecimento emocional: "Qualquer um pode ficar com raiva, isso é uma coisa muito simples. Mas ficar com raiva da pessoa certa, no grau certo, na hora certa, com o propósito certo e da maneira certa, isso certamente não é tão simples". Parece que Aristóteles trabalhou como advogado em uma firma por um tempo!

* Marisa Méndez, é sócia de Csas | Transforming law firms. Email mmendez@marisamendez.com

Add new comment

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.