Skip to main content
A lista de Lira é, ao mesmo tempo, urgente e ambiciosa/Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados
A lista de Lira é, ao mesmo tempo, urgente e ambiciosa/Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

A lista de Lira

Parlamentar pode se tornar uma espécie de “âncora” do mercado.
por André Pereira Cesar*
publicado em24/02/2021

Para receber nossa newsletter diária inscreva-se aqui!

É positivo o saldo dos trabalhos iniciais do Congresso Nacional sob o comando do deputado Arthur Lira (PP/AL) e do senador Rodrigo Pacheco (DEM/MG). Em poucos dias, eles sinalizaram que as duas Casas manterão um bom relacionamento com o Planalto, mas sem subserviência. Abordaremos aqui a questão da Câmara dos Deputados.

De imediato, o novo presidente da Casa estabeleceu uma agenda que deverá ser apreciada até o final de março. A lista de Lira é, ao mesmo tempo, urgente e ambiciosa. Urgente porque trata-se de matérias que precisam ser apreciadas a curtíssimo prazo, para o bem do país. Ambiciosa em função dos conhecidos obstáculos políticos para sua aprovação.

Em primeiro lugar está a Lei Orçamentária de 2021. Já atrasada, pois deveria ter sido aprovada até o final do ano passado. A proposição está em fase de discussão na recém-instalada Comissão Mista de Orçamento do Congresso. O ponto que chama mais a atenção no projeto é a desvinculação total de receitas, defendida pelo presidente da Câmara. Um intenso debate se desenha para breve.


Veja também: O que pensam Arthur Lira e Rodrigo Pacheco?


Também a chamada PEC Emergencial está no radar imediato de Lira. A matéria está no Senado e o parecer do relator, senador Márcio Bittar (MDB/AC), preserva gatilhos que permitem o congelamento de determinadas despesas da União. O texto contém ainda uma “cláusula de calamidade”, que abre espaço no orçamento para o pagamento do auxílio emergencial pelos próximos meses. Votada no Senado, a matéria será objeto de deliberação pelos deputados.

Por fim, a polêmica reforma administrativa está na lista de Lira. Pelo cronograma estabelecido, a proposta terá sua constitucionalidade e juridicidade analisadas pela Comissão de Constituição e Justiça da Câmara até o final de março, quando será então encaminhada para Comissão Especial. A previsão do presidente da Casa é de que o plenário conclua a votação no final do primeiro semestre - uma avaliação otimista, pois a pressão das poderosas associações dos servidores será forte contra a matéria.

O fato é que Lira começa a surpreender. Dados os recentes eventos envolvendo a Petrobras, com a intervenção do presidente Bolsonaro no comando da estatal, o parlamentar pode se tornar uma espécie de “âncora” do mercado, ainda mais tendo em vista o momento de baixa do titular da Economia, Paulo Guedes, outrora conhecido como “Posto Ipiranga”.

Qual o futuro da relação entre Lira e Bolsonaro? A evolução das matérias listadas pelo comandante da Câmara ajudará a delinear esse quadro. O presidente da República tem no deputado, hoje, um importante aliado, que inclusive contribui na blindagem aos mais de sessenta pedidos de impeachment protocolados na Mesa da Câmara. Essa aliança, porém, é circunstancial e poderá ser revisada a qualquer instante. Afinal, o jogo da política é extremamente dinâmico.

*André Pereira Cesar é cientista político.


Assuntos relacionados:

Pandemia reforça o conceito constitucional de federação

O novo marco legal das concessões e parcerias público-privadas no Brasil

Una-se à discussão!

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.