A necessidade de ter um propósito que vá além da rentabilidade da firma

Por que não reconhecemos as firmas que se destacam além de seu faturamento e das classificações em que as analisam? / Pixabay
Por que não reconhecemos as firmas que se destacam além de seu faturamento e das classificações em que as analisam? / Pixabay
O propósito é muito mais que um objetivo, é a razão de ser da empresa, é um ideal, é o que inspira todos os seus integrantes a fazerem parte dela.
Fecha de publicación: 28/09/2020
Etiquetas: Gestão LexLatin

Para se inscrever no boletim informativo, na newsletter de Gestão LexLatin, clique aqui.

 

Recentemente li um artigo que terminava com a seguinte frase "Vamos construir a primeira empresa de um bilhão de dólares na América Latina". Fiquei pensando na frase por alguns segundos e minha reflexão imediata foi "para quê?" Sinceramente, não encontrei uma resposta. No entanto, isto permitiu-me refletir sobre as várias práticas existentes no sector jurídico e que poderiam motivar um grande sector do mercado jurídico a ser incentivado a perseguir um sonho semelhante sem a necessidade de responder “para quê?”.

 

Conheço pouquíssimos exemplos de escritórios de advocacia em que exista uma sólida cultura organizacional baseada em um propósito claramente definido e internalizado por seus integrantes que vai além da sua rentabilidade. A essência do crescimento no setor está frequentemente associada ao dimensionamento econômico de um negócio ou à expansão de áreas de atuação por meio de fusões ou integrações com novas equipes jurídicas. Tamanho, status e poder constituem o leitmotiv da prática privada do direito.

 

Assim, os escritórios de advocacia tendem a se tornar espaços onde o crescimento econômico e o complemento técnico e o fortalecimento de seus associados são priorizados para além de uma visão comum que transcende o simples fato de ganhar dinheiro e que coloca as pessoas no centro.

 

Se existem empresas como Twitter, Zappos e Southwest Airlines que se destacam por sua cultura empresarial, por que não são reconhecidas publicamente as firmas que se destacam por algo semelhante, além de seu faturamento, a quantidade de “deals” que fecham por ano e os rankings que as classificam? Numa época que exige repensar muitas coisas, não é que precisamos humanizar e dar sentido à prática jurídica?

 

Como iniciar a busca por propósito? Um bom ponto de partida para encontrar e definir um propósito é perguntar o que nos faz acordar cedo todos os dias para enfrentar um dia difícil, intenso e estressante no trabalho. A resposta pode se tornar o motor de que precisamos para descobrir e realizar nossos maiores sonhos como organização. A resposta não é simples, nem pode ser reduzida a indicadores econômicos ou métricas numéricas.

 

Simon Sinek, escritor do livro “Start with why”, usa uma comparação inteligente que explica o propósito no mundo corporativo. Sinek compara uma empresa com um carro e indica que o dinheiro em uma empresa é como o combustível de um carro, sem dinheiro a empresa não pode operar. No entanto, o propósito de um carro não é comprar combustível, assim como o propósito de um negócio não é ganhar dinheiro. O objetivo do carro é chegar a um determinado destino e o combustível contribui para isso.

 

O propósito de uma companhia é atingir um propósito ulterior, uma contribuição para a sociedade que a permita desenvolver. Por exemplo, o objetivo da Southwest Airlines é "Conectar as pessoas com o que é importante em suas vidas por meio de viagens aéreas amigáveis, confiáveis ​​e de baixo custo" e do Spotify "Inspirar a criatividade humana, permitindo que um milhão de artistas vivam de sua arte e que um bilhão de pessoas a apreciem e inspirem ”.

 

Em muitos casos, a busca de um propósito pode envolver uma profunda, mas necessária, introspecção que consegue dar norte e rumo à nossa atividade profissional, tornando-a sustentável e permitindo a realização pessoal.

 

Um detalhe importante é saber distinguir entre propósito e objetivo. Eles podem parecer sinônimos, mas não são. O propósito é muito mais do que um objetivo, é a razão da existência da empresa, é um ideal, é o que inspira todos os seus integrantes a fazerem parte dela. Não é uma ação concreta e geralmente tem um componente que pode parecer abstrato, mas tem poder suficiente para impulsionar a empresa no caminho da coerência. Propósito não é sinônimo de “trabalho pro bono” ou alguma atividade bem intencionada de responsabilidade social, é muito mais do que isso.

 

Quem conhece a atividade do escritório que dirijo, pode pensar que o nosso propósito é transformar e inovar nos serviços jurídicos ou promover o direito digital, mas estes são apenas objetivos que surgem em consequência do nosso propósito, que é: “Acreditamos em benefícios que geram inovação e tecnologia em nossas vidas e queremos construir uma sociedade mais digital e inclusiva. ”O propósito não diz o que você faz, mas para que você faz ou o que o inspira a fazer.

 

Como colocar o propósito em prática? Com total consistência. Não adianta ter um propósito bem escrito e colado em todas as paredes do escritório, é preciso realizar ações cotidianas que dêem sentido e realidade a cada palavra, com a equipe de trabalho, clientes e fornecedores. Um propósito posto em prática e do qual emergem uma série de valores internalizados por toda a firma pode ter efeitos poderosos na consolidação de uma cultura organizacional sólida que resulte em equipes que levam a empresa ao próximo nível.

 

A coerência com o propósito por meio de ações concretas constrói relações de confiança nas equipes de trabalho que fazem valer a pena lutar diariamente pela realização dos ideais contidos no propósito. Quero deixar um assunto claro, ninguém é obrigado a ir em busca de seu propósito, mas fique tranquilo, pois quando o encontra, um fascinante mundo de oportunidades se abre e tudo ganha um significado diferente.

 

Comentava no início a necessidade de humanizar a prática jurídica, e continuo convicto de que é chegado o momento de o fazer, de romper com todos os estereótipos que rodeiam a figura do advogado (e que conquistamos) e de promover ativamente o inovação no setor jurídico.

 

Nesse sentido, acredito que os escritórios de advocacia mais inovadores não serão os que mais investirem em tecnologia, mas sim os mais estimulados a introduzir pequenas mudanças em sua cultura que farão grandes diferenças, aspecto bastante negligenciado no setor jurídico. Um ponto de partida necessário é definir um propósito claro que gere um impacto positivo na sociedade que permita o desenvolvimento da firma. Se você precisa pensar grande, este é o momento. Todos podemos ser agentes de mudança neste processo e dar um sentido genuíno de propósito ao exercício da nossa prática jurídica.

 

*Oscar Montezuma Panez é diretor da Niubox, email: omontezuma@niubox.legal

Add new comment

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.