Skip to main content
El Nuevo Aeropuerto de Quito fue inaugurado en 2013 / Bigstock
El Nuevo Aeropuerto de Quito fue inaugurado en 2013 / Bigstock

Construtora canadense Aecon ganha ações sobre exoneração de impostos no Equador

A companhia fez valer os benefícios da derrogada Lei de Zonas Francas
por Ingrid Rojas
publicado em31/07/2019
Compartilhar
Tags

Ecuador

A construtora canadense Aecon resultou favorecida com duas sentenças no Equador diante da reclamação do Serviço de Rendas Internas (SRI) que exigia o pagamento do Imposto de Renda durante a construção do Novo Aeroporto de Quito, desconhecendo exonerações contempladas na legislação local.

 

O Tribunal Contencioso Administrativo revisou os argumentos expostos pela Aecon em relação às determinações tributárias feitas pelo Imposto de Renda dos anos 2010, 2011 e 2012, por um lado, e 2014, pelo outro.

 

Em relação ao primeiro caso, a instância se pronunciou no 7 de fevereiro deste ano. Sobre o segundo caso, o tribunal emitiu no passado 30 de abril, um pronunciamento favorável a Aecon.

 

Em sua defesa, a construtora alegou que a Lei de Zonas Francas e, consequentemente, suas isenções, se encontravam vigentes ao momento de qualificar a Aegon como usuário de zona franca, portanto não está obrigada ao pagamento do Imposto de Renda pelos anos reclamados.

 

Na ação, advogados internos apoiaram o Serviço de Rendas. Paz Horowitz Abogados, que representou a Aecon, agregou que o Conselho Setorial da Produção que está integrado pelo Serviço de Rendas Internas, entre outros, reconheceu o benefício para a construtora Aecon, pelo que – assegura - não se podia contradizer. O escritório fundamentou a defesa de seu cliente na Lei de Zonas Francas de 1991 que foi codificada em 2005, como a norma que consagrou a exoneração do Imposto de Renda até por 20 anos e o Convênio Bilateral Equador - Canadá para a proteção recíproca dos investimentos, no que se amparava o Contrato de Garantia de Investimento. Ambas as normas hoje estão derrogadas.

“O fundamento utilizado pelo SRI radicava em que a norma que contemplava a exoneração do Imposto de Renda foi derrogada tacitamente por uma norma anterior, sem considerar que a Lei de Zonas Francas claramente estabelecia que as exonerações deviam ser derrogadas expressamente”, explicou Paz Horowitz.

Jorge Paz Durini, sócio do escritório, assinalou que estas decisões ratificam o entendimento dos tribunais sobre a validez e respeito que merecem os contratos de investimento e a normativa que garante o investidor.

“O importante é que os tribunais fazem uma análise exaustiva da norma, para deslindar-se da posição contrária adoptada no caso resolvido pela Corte Nacional e não aplica nem segue o critério negativo prévio”.

Santiago Paz, associado do escritório, disse que em ambos os casos, o Serviço de Rendas Internas interpôs recursos de cassação que estão em trâmites junto à Corte Nacional. Comentou que o citado recurso não trata o mérito do assunto senão que revisa unicamente aspectos formais do caso.

 

A Aecon formou parte do consórcio inicial que construiu o Novo Aeroporto Internacional de Quito em conjunto com a brasileira Andrade Gutiérrez. A obra foi inaugurada em 2013. A Corporação Quiport é o operador do terminal aéreo internacional Mariscal Sucre que substitui o construído em 1960.


Assessores legais

 

Assessores de Aecon AG Constructores S.A.:

 

Una-se à discussão!

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.