Skip to main content
A proteção de dados, associada à ESG, garante ao indivíduo o controle sobre suas informações pessoais/Pixabay
A proteção de dados, associada à ESG, garante ao indivíduo o controle sobre suas informações pessoais/Pixabay

A LGPD é ESG?

Pensar a LGPD aplicada é pensar o conceito base da ESG com o indivíduo no centro da relação sociedade-corporação.
por Raphael de Cunto*
publicado em23/02/2021

Para receber nossa newsletter diária inscreva-se aqui!

Desnecessário reafirmar que o mercado entende o valor da informação, sobretudo quando se trata de dados pessoais, não apenas pelo ganho direto, mas também indireto, por proporcionar estudo de mercado, análises e planejamento de negócio, marketing, prospecção de clientes, entre outras inúmeras possibilidades.

O fluxo de informações é imperativo e intrínseco à engrenagem da sociedade atual, e não há qualquer perspectiva de que este cenário se altere – a cada dia nos vemos mais conectados, desenvolvendo atividades na rede e utilizando nossos dados para exercer qualquer tipo de função.

Mas existe desigualdade entre o titular dos dados pessoais e o responsável pelo tratamento desses dados? A resposta é provavelmente sim, até porque sempre existiu uma assimetria entre a consciência da importância dos dados pessoais para o negócio entre a empresa e o titular.

Aos poucos cresce a percepção entre os indivíduos de que privacidade importa e quem coleta e trata seus dados pessoais deve fazê-lo com o devido cuidado, um cuidado agora devidamente prescrito em lei. Pode-se afirmar que se iniciou uma demanda crescente por transparência, clareza e respeito à privacidade.

Paralelamente, as empresas têm buscado implementar um conceito novo, conhecido pela sigla “ESG”, cujo significado é governança ambiental, social e corporativa, e que tem se expandido e tomado conta das iniciativas privadas. ESG nada mais é do que responsabilidade com os efeitos externos à atividade corporativa, seja ela qual for.


Veja também: Os desafios de políticas de implementação de ESG


Nesse sentido, é evidente que pensar em proteção de dados é pensar nos impactos sociais causados pela atividade empresarial – a cada dia a proteção de dados tem se aproximado de direitos humanos básicos, tais como liberdade de expressão e não discriminação.

Nesse contexto, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) surge em um momento importante tanto para atender às demandas sociais de privacidade e equilíbrio, quanto dentro de um cenário global de maior preocupação corporativa. A intersecção dessas questões nos leva a entender a LGPD como um elemento catalisador da ESG no que tange à proteção de dados pessoais.

Em primeiro lugar, a LGPD se sustenta com base em dez princípios – tais como, os princípios da finalidade, adequação, transparência, segurança, prevenção, não discriminação, responsabilização, etc., que traçam os pilares de responsabilidade ética no tratamento de dados pessoais, de modo a preservar o titular e criar uma relação de interesse mútuo, na qual tanto o responsável pelo tratamento quanto o titular sejam beneficiados em igual escala.

Esses princípios dialogam diretamente com direitos fundamentais do indivíduo, uma vez que uma proteção de dados eficaz contribui para a proteção de direitos humanos e, consequentemente, a LGPD atua como direcionadora e fiscalizadora da efetiva preocupação com a ESG nas empresas brasileiras.

Apesar da grande relevância dos princípios da LGPD, sobretudo quando se fala de responsabilidade ética, vale mencionar com atenção especial o princípio da transparência, segundo o qual os titulares têm direito de acesso facilitado a informações claras e precisas sobre o tratamento de seus dados pessoais; segurança, que garante ao titular um tratamento de dados seguro e planejado e não discriminação, segundo o qual o tratamento não poderá ser realizado para fins discriminatórios ilícitos ou abusivos.

Como um panorama geral, apenas esses três princípios demonstram o caráter socialmente protetivo da LGPD e o interesse em preservar o titular – ideal diretamente relacionado com o interesse corporativo de compromisso com a sociedade. A proteção de dados, associada à ESG, garante ao indivíduo o controle sobre suas informações pessoais, e players inteligentes são aqueles que se juntaram a esse movimento – o titular, que a cada dia mais se preocupa com seus dados pessoais, está mais propenso a consumir de quem garante a integridade de suas informações, em quem confia e faz um uso consciente e responsável de seus dados pessoais.

Um diferencial competitivo. Pensar a LGPD aplicada é pensar o conceito base da ESG com o indivíduo no centro da relação sociedade-corporação.

*Raphael de Cunto é sócio do escritório Pinheiro Neto de São Paulo. Colaboração de Bernardo Batista.


Mais sobre LGPD em LexLatin:

A importância do Data Protection Officer na implementação da LGPD

LGPD: Consumidor tem direito limitado à exclusão de dados por empresas

A LGPD e suas implicações penais

Una-se à discussão!

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.