Skip to main content
El fin de la democracia
El fin de la democracia

O fim da democracia

por Raúl Stolk
publicado em11/12/2017
1comentario
Compartilhar

Algumas vezes os sintomas do autoritarismo são quase imperceptíveis. Temos visto como certas democracias têm perdido o ânimo, pouco a pouco, sem que seus cidadãos o notem imediatamente. E logo, quando já os sintomas demonstram um claro deterioro, há circunstâncias apremiantes que distraem a atenção da gente e que não permitem atender as falhas e buscar um remédio. Isto é, quando estás preocupado com o que teus filhos vão comer ao dia seguinte, não há largura de banda para preocupar-se pela liberdade de expressão, a separação de poderes ou o devido processo.

Esse deterioro o temos visto na casa e na vizinhança, de maneira quase cíclica, em distintos países e em distintos momentos. Na montanha-russa gigante latino-americana não tem havido um só momento de estabilidade regional.

Nós o vimos recentemente em Honduras, ao ficar ao descoberto a pouca transparência de seu sistema eleitoral e os eventos que se têm demonstrado trás as eleições presidenciais. Também o encontramos no ocorrido na Guatemala faz poucos meses, quando líderes políticos procuraram tomar um banho de impunidade através do Executivo e o Congresso. Ademais a Bolívia, que tem mantido uma surpreendente estabilidade econômica a pesar do governo de claro corte autoritário de Evo Morais, fez uma viragem forte nas últimas semanas quando a Corte Suprema anulou a vontade dos bolivianos ao outorgar a Morais a possibilidade de buscar um quarto mandato. A isto somemos a fragilidade institucional do Brasil, a submissão do México ao narcotráfico, e a total e absoluta decomposição da Venezuela.

Mas a chave é esse “pouco a pouco”, que vai necessariamente acompanhado de uma insistência quase obsessiva em aplicar as formas democráticas. Converter-se em sistemas autocráticos desenhados para que não sejam fáceis de explicar: "Como vás dizer que não há democracia se se têm feito 23 eleições em 18 anos?" Democracia em abundância.

Essa patranha de "mais eleições é igual a mais democracia" é o tipo de discurso que têm tido que suportar os venezuelanos dos últimos tempos. Muitas eleições sujeitas a um sistema eleitoral configurado para fazê-lo ver competitivo, para fazer o povo crer que há chance de derrotar o partido de governo. Mas em realidade é um sistema controlado, como uma corrida de touros na que o público se angustia pela sorte do matador, mas ao final todos sabem como termina.

Essa dificuldade de chamar ao regime por seu nome é uma característica das ditaduras modernas. "Não podemos dizer que é ditadura porque votamos." Até que for tarde, e finalmente vês que tu és o touro.

Os venezuelanos estão nesse momento. O governo logrou deslocar completamente a democracia de sua forma de autocracia light. O traje de ditadura moderna já não lhe serve, pelo que não tem outra senão aderir-se ao roteiro das ditaduras mais tradicionais.

A conversa que devemos ter os latino-americanos não é uma de solidariedade por não deixar um companheiro atrás, senão que vai muito além. Trata-se de entender que nossos países estão mais conectados do que pensamos e que um país queixoso facilmente contagia os demais. O que está acontecendo na Venezuela deve servir de advertência sobre o perigo de deixar desatendidos estes sintomas que, como tem se explicado, são difíceis de identificar. Porque as ditaduras modernas não se impõem subitamente, o fazem lentamente, como uma enfermidade que vai consumindo a democracia até fazê-la desaparecer.

 

Comentarios

carlos cortaza (not verified) Tue, 12/12/2017 - 11:14

Extraordinario!!

Una-se à discussão!

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.