Skip to main content
Reportagens

Ida de Coaf para BC abre espaço para acordos em casos de lavagem de dinheiro

por Iuri Dantas
publicado em21/08/2019

O Brasil se tornou o primeiro país a unir em uma mesma estrutura o supervisor e regulador do sistema financeiro com o monitoramento de operações para prevenção e combate à lavagem de dinheiro, depois que o presidente Jair Bolsonaro assinou uma medida provisória transferindo o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para o organograma do Banco Central.

A AICMJ: profissionalizando a promoção dos serviços legais

por Rosa Ramos
publicado em25/08/2017

Os profissionais da comunicação e do marketing jurídico – na Espanha e na região - contam desde junho deste ano com um novo espaço de reunião e debate para seu setor: a Associação Iberoamericana de Comunicação e Marketing Jurídico (AICMJ). Até agora, são quase 50 membros distribuídos nas principais cidades da América Central, América do Sul, Espanha e incluso Miami.

Leis e otimismo para acabar com a corrupção na Argentina

por Angela Castillo
publicado em12/01/2017

Está acontecendo. A luta anticorrupção na América Latina começa timidamente a ser uma característica mais própria da região que a própria corrupção em sim. Não podemos obviar que este fenômeno se produz precisamente pela falta de práticas limpas de que têm adoecido os países latinos por décadas e décadas. Ao final de contas, a denúncia e o ativismo surgem quando o sistema cai por seu próprio peso.

Dilma Rousseff destituída logo de voto do Senado em processo de Impeachment

por raul.stolk
publicado em31/08/2016

Cento e onze dias transcorreram entre a suspensão temporária de Dilma Rousseff como presidente do Brasil, e sua destituição oficial por ter realizado manobras fiscais durante seu Governo. O 31 de agosto de 2016, o Senado determinou - com 61 votos a favor e 20 em contra - que a mandatária era responsável dos cargos pelos que abriram o juízo político. Para sua remoção, se necessitavam 54 votos.

BREXIT: Uma fratura na sociedade britânica

por raul.stolk
publicado em07/07/2016

O referendo que tem perplexos os mercados internacionais e a sociedade britânica não é juridicamente vinculante. Contudo, tem sido uma resposta inesperada, apesar de recorrente noutros cantos do mundo, a demagogia de um grupúsculo de políticos. Fica claro que o populismo é para todos, e que pode chegar incluso aos espaços onde a democracia é mais sólida.