Skip to main content
Embraer
Embraer

Parceria entre Boeing e Embraer recebe aprovação do Cade no Brasil

Compra da divisão comercial pela Boeing só deve acontecer no segundo semestre, segundo analistas
por Luciano Teixeira
publicado em06/02/2020
Compartilhar
Tags

Brasil

A Boeing e a Embraer receberam a aprovação sem restrição de sua parceria estratégica pela Superintendência Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) no Brasil. A decisão será finalizada até 11 de fevereiro. A parceria recebeu autorização incondicional de todos os órgãos reguladores, com exceção da Comissão Europeia, que continua a avaliar a joint venture.

"Esta mais recente aprovação é outra validação de nossa parceria, que trará maior competitividade ao mercado de jatos regionais, mais valor para nossos clientes e maiores oportunidades aos nossos funcionários", disse Marc Allen, executivo da Boeing e presidente da Parceria Embraer e Operações do Grupo.

“A aprovação do acordo pelo órgão regulador brasileiro é uma demonstração clara da natureza pró-competitiva de nossa parceria”, disse Francisco Gomes Neto, CEO e presidente da Embraer. “A decisão não apenas beneficiará nossos clientes, mas também permitirá o crescimento da Embraer e da indústria aeronáutica brasileira como um todo”.

No início de janeiro, a Embraer concedeu férias coletivas aos funcionários das unidades no Brasil por 15 dias. Segundo a empresa, nesse período, foi implementada a separação interna dos negócios de aviação comercial das outras atividades, como parte do processo de integração das duas companhias. 

A parceria planejada entre a Embraer e a Boeing vai criar duas joint ventures: uma joint venture composta pelas operações de aeronaves comerciais da Embraer e serviços associados (Boeing Brasil - Comercial), na qual a Boeing terá 80% de participação e a Embraer 20%; e outra joint venture para promover e desenvolver mercados para o jato militar C-390 Millennium (Boeing Embraer - Defesa), na qual a Embraer terá uma participação de 51% e a Boeing os 49% restantes. 

Alguns analistas de mercado ouvidos pela equipe de Lex Latin acreditam que a parceria com a Boeing no setor de defesa pode ser fundamental para que a Embraer consiga uma expansão significativa no mercado de jatos militares. “A força da Boeing no contexto mundial vai abrir muitas portas para nós em muitos mercados. A Otan é um deles. Se entrarmos na Otan com o C-390 temos um mercado para mais de US$ 20 bilhões”, afirma Domingos Afonso de Deus, especialista no mercado de aviação executiva e responsável pela investigação dos principais acidentes aéreos brasileiros.  

A empresa brasileira é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A companhia mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves e transporta anualmente mais de 145 milhões de passageiros. A companhia atua nos segmentos de aviação comercial, executiva, defesa, segurança e aviação agrícola, além de  projetar, desenvolver, fabricar e comercializar aeronaves e sistemas, serviços e suporte a clientes no pós-venda. 

Problemas na validação do negócio

A aprovação do negócio já foi concedida pelo Brasil, Estados Unidos, China, Japão, África do Sul, Montenegro, Colômbia e Quênia.

A Boeing e a Embraer mantém discussões com a Comissão Europeia, que avalia a transação  desde o final de 2018. Representantes da Comissão pediram que as duas empresas repassem dados dos últimos 20 anos em vendas e forneçam 1,5 milhão de páginas de documentos e dados. Segundo analistas, isso reflete a preocupação dos europeus na validação desse acordo, que pode reduzir a competição no mercado internacional de jatos. 

Outra questão importante é a crise na Boeing, que teve problemas com o 737 Max. A empresa norte-americana esteve envolvida em dois acidentes fatais em 2018 e 2019. Mensagens internas da Boeing publicadas como parte da investigação do Congresso e do Senado dos Estados Unidos a respeito dos acidentes revelam que técnicos e funcionários da empresa demonstraram desconfiança em relação à segurança da aeronave.

A especialista em compliance e processos administrativos, Marcela Pedreiro,  destaca  que as novidades no caso podem atrapalhar a compra do setor de aviação comercial da Embraer por parte da empresa norte-americana. “A análise da Comissão Europeia vai atrasar. Acredito que só saia entre maio e junho. Com isso, a compra deve ser efetivada só no fim do primeiro semestre”, afirma. 

“A autoridade antitruste da Comunidade Europeia vai querer analisar a situação de possíveis corrupções e utilização de produtos mais baratos e não os necessários para a segurança do avião para baratear as aeronaves“, destaca a advogada. O prazo dado pela Comissão Europeia para aprovar ou não a compra é 30 de abril. Embraer e Boeing esperam a aprovação por lá para só depois efetivar o negócio. 

"Estamos nos relacionando de forma produtiva com a Comissão para demonstrar a natureza pró-competitiva parceria que estamos planejando e esperamos um desfecho positivo", disse Allen. "Diante do endosso favorável que temos recebido de nossos clientes na Europa e das aprovações incondicionais de todas as agências reguladoras que analisaram nossa transação, esperamos receber a aprovação final para a transação o mais rápido possível", afirma.

 

 

Una-se à discussão!

HTML Restringido

  • Allowed HTML tags: <a href hreflang> <em> <strong> <cite> <blockquote cite> <code> <ul type> <ol start type> <li> <dl> <dt> <dd> <h2 id> <h3 id> <h4 id> <h5 id> <h6 id>
  • Lines and paragraphs break automatically.
  • Web page addresses and email addresses turn into links automatically.